Jornalismo, Prêmio ABAG/RP de Jornalismo

Brasil é o terceiro maior produtor de frutas do mundo

País só fica atrás de China e Índia em termos de produção no ramo da fruticultura, setor que vem ganhando destaque no agronegócio brasileiro

Heloísa Scognamiglio

O agronegócio é tão importante para o Brasil, que manteve o país durante a recessão e impulsionou a alta de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2017. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a safra recorde de grãos fez com que a agropecuária crescesse 13,4% nos primeiros três meses do ano em relação ao trimestre anterior, a maior alta em mais de duas décadas. Se não fosse o bom desempenho do setor, haveria mais um trimestre de PIB negativo. Pesquisa, ciência, tecnologia, trabalho no campo, transporte: tudo o que está envolvido nesse setor forma uma cadeia produtiva gigantesca que gera milhões de empregos e oferece oportunidades para os trabalhadores brasileiros.

Dentro do agronegócio, uma área na qual o Brasil se destaca é a produção de frutas, chamada de fruticultura. De acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o país é o terceiro maior produtor de frutas mundialmente – a China é a maior produtora, enquanto o segundo lugar é ocupado pela Índia.

imagem frutas
A China é a maior produtora de frutas do mundo, seguida pela Índia – em terceiro lugar, está o Brasil. Foto: Pixabay

No mundo todo a produção de frutas vem aumentando, bem como o interesse da população em consumi-las. Tal fato segue a tendência mundial de conscientização em relação à necessidade de possuir uma dieta balanceada, incluindo o consumo de frutas frescas, para se alcançar uma vida saudável. Projeções da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) indicam que o consumo per capita de frutas, no Brasil e no mundo, deve continuar crescendo. A possível melhora da economia do país também pode contribuir para aumentar o poder de compra dos brasileiros, aumentando também o consumo no geral.

Essa nova realidade de mercado demanda que fruticultores invistam em melhorias para aumentar a eficiência do sistema produtivo e, consequentemente, a produção, para que não percam competitividade. Esse aumento na produção pode ser alcançado com pesquisas e com a adoção de novas tecnologias que podem ser aplicadas nos processos e na pós-colheita, além de boas práticas agrícolas e a modernização de transporte e logística.

Panorama da fruticultura brasileira

Como dito anteriormente, o Brasil ocupa o terceiro lugar no ranking mundial de países produtores de frutas, com uma produção que tem superado os 40 milhões de toneladas nos últimos anos. A parte agrícola da fruticultura abrange em torno de 3 milhões de hectares, gerando pelo menos 6 milhões de empregos diretos. O país foca a sua produção no mercado interno, exportando apenas cerca de 3% das frutas que produz. Em 2016, o IBGE estimou que a produção para 2017 seria de aproximadamente 44 milhões de toneladas.

Há uma grande diversidade na produção de frutas do Brasil, já que as lavouras estão espalhadas por todas as regiões do país. Entre as inúmeras variedades produzidas, merecem destaque: abacaxi, melancia e melão, que são classificados como lavouras temporárias (culturas que necessitam de novo plantio após a colheita), e laranja, banana, coco-da-baía, limão, maçã, mamão, manga e uva, consideradas lavouras permanentes (culturas que permitem colheitas sucessivas, sem necessidade de novo plantio).

Confira abaixo as principais frutas produzidas no Brasil em 2015:

Infográfico 1
Infográfico mostra porcentagem que cada fruta representou no valor da produção nacional de frutas em 2015

Entre os estados brasileiros onde ocorre a fruticultura, São Paulo, Bahia, Rio Grande do Sul e Minas Gerais se destacaram em 2015. Durante este ano, as principais frutas produzidas em São Paulo foram laranja, banana e limão; na Bahia, banana, mamão e coco-da-baía; no Rio Grande do Sul, uva, maçã e laranja; e, em Minas Gerais, banana, laranja e abacaxi.

Além dos estados citados, o Vale do São Francisco (VSF) também é considerado um importante polo frutícola do país, com produções significativas de manga e uvas. Isso ocorreu graças aos inúmeros investimentos do governo federal em obras visando a irrigação da região, que concentra 85% das exportações de manga do Brasil, além de ser responsável por mais de 95% das exportações brasileiras de uvas de mesa. Os principais mercados das uvas produzidas no VSF são a União Europeia e a América do Norte. A fruta mais exportada pelo Brasil, em termos de volume, é o melão, sendo o Ceará o maior produtor e exportador da fruta.

Além das frutas frescas, há ainda o segmento de frutas processadas, que basicamente atende às produções de sucos, néctares, drinques e polpas de frutas. O Brasil é o principal produtor e exportador mundial de laranja e suco de laranja concentrado congelado (FCOJ, Frozen Concentrated Orange Juice). Dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, United States Department of Agriculture) de julho de 2013 apontam que o Brasil foi responsável por 36% da produção mundial da fruta in natura. Desse total, 70% foi usado na fabricação de suco concentrado, sendo esse valor responsável por 57% de todo o suco produzido no mundo. Só em 2014, o país exportou um total de 1,9 milhão de toneladas de suco de laranja.

imagem suco laranja
Brasil se destaca na exportação do FCOJ, o suco de laranja concentrado congelado. Foto: Pixabay

Desafios a serem superados

Como todas as outras áreas do agronegócio, a fruticultura também ainda precisa vencer muitos obstáculos. Do volume total de frutas produzido, acredita-se que o país desperdiça cerca de 30%. Entre os fatores que influenciam esse número, podem ser citados a ausência de estruturas para armazenamento, falta de logística, desconhecimento do produtor, uso de embalagens inapropriadas, transporte precário, entre muitos outros.

Além do desperdício, as variações climáticas e a estiagem que atingiu muitos estados brasileiros nos últimos tempos também dificultaram a produção de frutas e diminuíram a qualidade dos produtos, que acabam não chegando aos níveis exigidos para exportação. Um melhor controle de pragas e doenças também é uma meta a ser atingida, a qual, por sua vez, também auxiliaria no desenvolvimento da exportação das frutas brasileiras.

Outro objetivo é incorporar práticas sustentáveis na produção, principalmente no que diz respeito à água. Um grande desafio para o futuro é utilizá-la na produção com o mínimo desperdício.

A pesquisa científica pode ser considerada uma grande aliada do agronegócio no desenvolvimento de técnicas para driblar todos os problemas citados. Inúmeros pesquisadores se dedicam a descobrir novos métodos que possam aumentar a eficiência do processo de produção, diminuindo desperdícios e perdas.

Como exemplo, podem ser citadas novas tecnologias de controle das moscas-das-frutas e de tratamento pós-colheita de uvas e mangas que são utilizadas no Vale do São Francisco. Tais técnicas têm proporcionando um aumento médio de produtividade de 3% ao ano, de acordo com dados da Associação Brasileira de Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas). Instituições como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) também desenvolvem inúmeras pesquisas na área, visando tornar o agronegócio ainda mais lucrativo do que ele já é para o país.

Anúncios

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s